sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

LIVRO 1 – PRIMEIRA PARTE – CAP. I

Livro 1 – 1ª Parte: O Contador de Histórias – Cap. I
Não posso revelar a identidade do protagonista desta história porque ele jamais perdoaria tal indiscrição. Desse modo, para evitar constrangimentos, usarei o nome Anastácio sempre que me referir a ele.
Tudo começou quando “Anastácio” estava sentado em um banco de jardim de uma praça pública, buscando as palavras certas para compor sua história. Naquela manhã, ele se sentiu embaraçado ao perceber que o homem de idade bastante avançada, sentado ao seu lado, o observava insistentemente. Cansado de ser o alvo daquele minucioso exame, ele parou de escrever e perguntou ao tal sujeito:
– Posso ajudá-lo de alguma forma?
O homem respondeu enigmático:
– Talvez possamos nos ajudar mutuamente.
Anastácio afirmou sem rodeios:
– Duvido muito. Peço-lhe a gentileza de me deixar em paz para que eu possa continuar o meu trabalho.
O homem permaneceu no mesmo lugar e continuou a encará-lo em silêncio. Anastácio, sentindo-se queimar por dentro, levantou-se. Perguntava-se como alguém poderia aparecer do nada e estragar completamente o seu dia. Parecendo ler os seus pensamentos, o homem disse:
– Eu não tenho nada a ver com a sua irritação e não estraguei o seu dia. É você quem estraga o seu dia todas as manhãs quando senta para escrever neste lugar estéril. Venha comigo para que eu possa mostrar-lhe um local mais adequado.
Anastácio sentou-se novamente antes de dizer:
– Não estou interessado. Por que não convida o otário sentado no banco em frente, que também estava escrevendo e agora parou para nos observar? Talvez ele tenha mais tempo e paciência para gastar com a sua intromissão.
Adivinhe só quem era o “otário sentado no banco em frente”? Acertou: era eu, Felizardo. Balançando a cabeça em sinal de desaprovação, o homem respondeu:
– Não. Já cheguei a pensar nele, mas receio que ainda não esteja pronto. Falta-lhe paixão, amor pelas histórias. Você, no entanto, precisa delas e as busca porque as ama: o seu coração respira histórias. Venha comigo. Você tem todo o tempo do mundo; mas, para mim, o tempo está acabando e se torna mais valioso a cada minuto.

Sisi Marques

2 comentários:

  1. Adorei, Sisi! Irei acompanhar essa historia! Estou gostando da sua empolgacao! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lucia! Eu amo a história "Realidade Mágica". Eu só me aventurei a criar o Blog Respirar Histórias, para que ela pudesse fazer parte do imaginário de mais alguém. Beijos

      Excluir